Música em Foco


O seu conhecimento musical PASSA por aqui!











A Estrutura da Música Popular

- Postado em Estruturação Musical por



Introdução

Muito provavelmente você já deve ter escutado alguém falar em termos como refrão, verso, ponte, pré refrão, interlúdio, etc.. Tais termos são utilizados para referenciar elementos conceituais relacionados à estrutura da música popular.

O entendimento a respeito da organização desses itens que compõem a estrutura de uma música são bastante úteis e poderão atribuir valor no que diz respeito à otimização dessa estrutura durante o processo de produção musical.

O fato de uma determinada música ser ou não agradável aos ouvidos ao estar sendo executada possui relação com a sua organização desde o momento de sua concepção até a fase de masterização e produção final. Muitas das vezes, a título de exemplificação, a música pode se tornar desagradável simplesmente pelo fato de não contar com a adição de um verso a mais ou pelo fato de contar com um verso relativamente curto. Ainda, exemplificando, a inserção de um pré-refrão pode fazer toda a diferença no ´brilho´ da música.

Os elementos estruturais da música, além de organizar a composição, poderão ser utilizados como facilitadores da memorização da música, pois suas partes marcantes serão enfatizadas e valorizadas, o que contribui para uma maior aceitação por parte do público.

Estrutura padrão de uma música

Inicialmente é muito importante deixar claro que não existe uma ´receita´ ou um padrão a ser adotado em termos de padronização de uma música em termos de estrutura. A título de exemplificação, podemos, inclusive, ter uma música que não possua introdução ou que seja desprovida de uma ponte. Várias são as estruturas que podem ser adotadas e isso depende muito da pretensão do compositor ou, ainda, do ajuste a ser tratado em relação a essa música quando a mesma adentrar em um estúdio de gravação para que seja trabalhada nos seus diversos aspectos.

Um exemplo de estrutura de determinada música:

a) Introdução;
b) Verso 1;
c) Verso 2;
d) Pré-refrão;
e) Refrão;
f) Verso 1;
g) Verso 2;
h) Ponte;
i) Solo;
j) Refrão; e
k) Final.

Introdução - Na grande maioria das vezes compreende um trecho instrumental que marca o início da música.
Verso - Início da música onde se narra o início da estória (verso 1).
Pré refrão - Vem antes do refrão e é uma espécie de continuação do verso (verso 2); pode se resumir em algo que justifica aquilo que foi tratado no verso.
Na maioria das vezes, a primeira parte da música poderá ser composta por verso e pré refrão .
Refrão - é a parte marcante da música. É no refrão que se estabelece uma espécie ponto de partida para a conclusão da música.
Retorno ao verso 1 e verso 2 - Poderá repetir os verso 1 e verso 2 (ou apenas um destes). Também pode ser trabalhado um outro item estrutural.
Item opcional - Depois pode ou não voltar ao refrão.
Ponte - É o momento da música onde há uma preparação para mudança de tom ou para que se dê início uma parte mais empolgada da música. Não é um item estrutural obrigatório.
Repetição do refrão - Agora o refrão pode aparecer novamente, inclusive com a ajuda de um coral para que a música fique mais interessante. E a música pode ficar no refrão até terminar.
Solo - É a parte da música que busca caracterizar ainda mais a música impondo ao ouvinte que este identifique a música de maneira fácil apenas pelo fato de ter memorizado o solo, que pode ser executado por um instrumento em evidência e que, geralmente, aparece em volume mais alto; pode ser uma guitarra, um piano ou teclado, um contrabaixo ou um dado instrumento de cordas ou de sopro (exemplo: violino, flauta, saxofone, etc.). O solo pode ser baseado ou não na mesma estrutura harmônica/melódica do refrão, mas isso não é uma regra.
Final - Parte que deixa claro o término da música. É uma espécie de "introdução ao contrário".

Conclusão

É importante ter em mente que, caso você esteja pensando em produzir uma obra fonográfica que possui várias faixas (comumente de 10 a 12 ou até mais), a utilização de um mesmo padrão em termos de estrutura pode fazer com que a sua obra se torne massante e até chata em relação a um dado ponto de vista, o que poderá ensejar na ausência de novidades na diferenciação de uma música para outra.

Para se ter ideia, grande parte das músicas que fazem ou fizeram sucesso não segue um padrão definido em termos de estrutura; e algumas dessas músicas são até desprovidas de refrão.

Antes de levar a sua música para o estúdio, reflita bem sobre as questões relacionadas aos seus elementos estruturais. Se for preciso, até retire aquilo que você sentir que irá prejudicar a sua composição. Faça testes executando a música utilizando vários padrões de estrutura e mostre aos seus amigos para captar a impressão deles, utilizando o simples recurso de gravação caseira com uso de um instrumento harmônico (violão, guitarra ou teclado).